Sunday, November 21, 2010

Notícia bombástica: o papa e o uso da camisinha!

O papa admitiu o uso “execpcional” do preservativo! Notícia bombástica que acabo de ver no UOL. A notícia informa que a afirmação de Bento XVI está num livro de entrevistas que será lançado em breve na Alemanha.

Se isso se confirmar, e se o papa ratificar que realmente pensa assim, o fato é importantíssimo. Embora a palavra do papa, de si, não possa ser tomada como a afirmação de uma posição oficial da Igreja, a aceitação do uso do preservativo abre uma imensa brecha no edifício da moral católica.

A Igreja Católica nunca admitiu o uso do preservativo porque contraria a essência doutrinária da moral católica. Defensora do Direito Natural, a Igreja sempre pregou que a finalidade precípua do sexo é a reprodução. Portanto, a prática sexual só é moralmente aceitável, na visão da doutrina católica, entre pessoas casadas e com a finalidade de reprodução.

Na visão católica, qualquer ato que fuja disso é contrário à natureza e, portanto, inaceitável. Daí a condenação, por exemplo, do sexo anal, da masturbação, da homossexualidade e do sexo oral, que têm por finalidade única o prazer, “desvirtuando-se” da finalidade natural do sexo. O catecismo católico, inclusive, classifica tais práticas como “pecados contra a natureza”, que, na definição do catecismo, “bradam aos céus e clamam a Deus por vingança”.

A palavra do papa, se confirmada, é um golpe como nunva visto na solidez desse edifício defendido com todas as forças pelo Vatiocano ao longo de muitos séculos. É esperar para ver!

* Em tempo: antes que eu terminasse este texto, voltei à notícia do UOL: ela já havia sido modificada, acrescida de declarações amenizadoras das palavras do papa. De qualquer modo, o que escrevi continua válido.

2 comments:

Flávia Ieneck said...

pra isso existe um link (http://www.deuslovult.org/2010/11/24/bento-xvi-e-a-camisinha-i-a-mudanca-de-opiniao-da-igreja/) que explica exatamente o erro de se condenar o que o Papa disse, e claro, foi muito mais mal-entendido e distorcido do que se imaginava.

DE FATO, isso nao significa uma mudança na dogmática ou na postura da Igreja. A Igreja é o que é, não muda. Primeiramente, isso não foi um pronunciamento oficial, até porque, mesmo o Papa, não é capaz de mudar os dogmas e a tradição da Igreja. Não muda. Nem sozinho nem com apoio dos cardeais ele poderia faze-lo.

No mais... PRA VARIAR, a imprensa relativista e "progressista" mais uma vez atropelou e distorceu as palavras do Santo Padre, no livro de Seewald. O Papa foi específico em dizer PROSTITUTO (portanto, homem que comercializa sexo), em que o uso da camisinha para a própria e a alheia proteção significa um passo para a moralização, uma possível conversão no futuro.

ISSO É BEM DIFERENTE de o Papa começar a apoiar campanhas de distribuição de camisinhas, seja na África, seja pelos Estados, ou muito menos nas escolas.


O mundo está longe, muito longe de QUERER ser de Deus, obediência, sacrifício, merecer o Céu.
Tudo que importa atualmente (isso falo de mais de um século) é o hedonismo, esperando que Deus (e sua representante, a Igreja) se flexibilize para atender a seus anseios egoístas e mesquinhos.

Uma pena. Deus ainda espera que eles voltem pra Ele.

Flávia Ieneck said...

e também este link, muito interessante http://diasimdiatambem.wordpress.com/2010/11/20/o-papa-e-a-camisinha/